Como lidar com a raiva

Como lidar com a raiva

 

1 DVD - 1h 53min. - R$ 35,00

Sob demanda - assistir nesta página - R$ 16,00

 

A raiva é o mais destrutivo dos três venenos mentais - os outros são apego e ignorância - apontados pelos ensinamentos budistas como a causa do ciclo do samsara. A superação ou purificação da raiva é uma meta essencial da prática budista. Do ponto de vista do budismo, não existe raiva justa, ou mesmo algum aspecto positivo que se possa encontrar na raiva, ela é considerada como um obstáculo à realização.

No entanto, mesmo os praticantes budistas encontram grandes dificuldades em lidar com a raiva. Do ponto de vista do samsara, estado em que nos encontramos agora, a raiva surge naturalmente. É necessário buscar um entendimento mais profundo de seus efeitos negativos para entendermos os malefícios causados pela raiva e os benefícios de desenvolver o seu antídoto, que é a paciência.

Quando examinamos a raiva mais detidamente, vemos que ela sempre surge como efeito do apego ou a da aversão. Ficamos com raiva do que nos impede de obter o que temos desejo, de manter o que temos apego ou a nos afastar do que temos aversão. Em seguida, projetamos ouexageramos qualidades negativas na pessoa ou objeto de nossa raiva. Todo esse processo tem como base a ignorância, que é o mais fundamental dos venenos e a base sobre a qual é construído todo o samsara.
A raiva é prejudicial porque nos cria muitos problemas nesta vida, e é fonte de karma negativo que vai nos trazer sofrimento também em nossas vidas futuras. A raiva também obscurece a mente e atrapalha nosso progresso no caminho do Dharma e nos impede de atingir a liberação e a iluminação.

O Buda ensinou métodos para neutralizar a raiva e purificar o karma negativo gerado por ela, de maneira que não há motivo para termos uma atitude fatalista e acharmos que não há como evitar a raiva e o mau karma que ela causa.

No ocidente, alguns psicólogos acham, e a cultura popular propaga essa visão, que é melhor liberar a raiva do que deixá-la contida, porque seria prejudicial à saúde mantê-la presa. Essa visão é baseada na idéia de que só há estas duas formas de agir em relação à raiva. Uma seria expressá-la e outra reprimi-la. Do ponto de vista budista, ambas são prejudiciais. Se você reprime a raiva, ela continua lá, escondida, e isso não é realmente bom para a saúde. Se você der vazão a ela, isso também não é bom, porque você vai ofender e causar danos a outras pessoas e criar karma negativo nesse processo.

Por isso o Budismo ensina como encarar a situação a partir de um diferente ponto de vista e a interpretar os eventos de uma forma diferente. Dessa forma, vamos descobrir que não há razão para desenvolver a raiva, por isso não é necessário dar vasão a ela ou reprimi-la.
Aplicar os antídotos às emoções negativas é importante. Precisamos aplicar os antídotos que o Buda ensinou, de novo e de novo. Apenas ouvir ou ler sobre o Dharma, e raramente meditar não é o suficiente para superar maneiras errôneas de interpretar os eventos e a atuação das emoções destrutivas.

Algumas pessoas temem que, se forem pacientes e gentis, as outras pessoas abusarão delas. Isso é um mau entendimento do significado de paciência e compaixão. Ter paciência quer dizer manter a calma quando encarar o sofrimento ou prejuízos. É possível ser calmo e gentil e, ao mesmo tempo, ser firme e ter uma clara consciência de sua dignidade e valor, e ter o comportamento adequado à situação.

Para criar uma nova conta, clique em Entrar com os campos Nome do Usuário e Senha em branco. Depois clique na opção Não possui uma conta?